Grupo 3corações vai construir nova fábrica em Minas Gerais


Unidade de Santa Luzia já recebeu R$ 50 milhões nos últimos cinco anos
De: O Tempo Economia

O grupo 3corações vai abrir uma nova fábrica de café em Minas Gerais. O
diretor-presidente da empresa, Pedro Lima, 48, diz que será um projeto
de valor considerável para 2014 que vai atender à demanda do consumo
interno do país. “Vamos instalar uma unidade industrial de café em Minas
Gerais. Estamos discutindo outro local, em outra região do Estado”,
informa Lima, que já conversou com a secretária de Estado de
Desenvolvimento Econômico, Dorothea Werneck. O executivo preferiu não
divulgar ainda o volume que será investido.

O grupo 3corações
tem uma das nove unidades industriais da empresa no país instalada em
Santa Luzia, na região metropolitana de Belo Horizonte, onde ocupa uma
área de mais de 100 mil m². “A unidade de Santa Luzia é a base de
expansão de todo o Sudeste para o nosso grupo”, diz Lima. Em 2005, a
unidade de Santa Luzia produzia 1 milhão de kg de café por mês, hoje,
são 6 milhões de kg por mês. “Ao longo dos últimos cinco anos já
investimos mais de R$ 50 milhões em expansão da capacidade, construção
civil, tecnologia e automação em Santa Luzia”, informa Lima.

Em
Varginha, no Sul do Estado, o grupo mantém uma unidade de beneficiamento
de café verde que, para Pedro Lima, talvez seja uma das mais modernas
do Brasil, e outra em Manhuaçu. Pontos de vendas e distribuição próprias
no Estado ficam em Montes Claros e em Santa Luzia.

Minas Gerais
faz parte da história do grupo desde 1999, quando a empresa israelense
Strauss comprou o Café 3 corações, que era uma empresa mineira. “Na
época, a 3corações faturava R$ 90 milhões”, lembra Lima, que era da
Santa Clara, empresa do Rio Grande do Norte. O executivo explica que o
grupo 3corações é fruto de uma joint venture da Santa Clara com o Café
3corações, da Strauss. Mas o negócio só aconteceu em 2005. Em 1999, a
Santa Clara faturava R$ 127 milhões, e em 2005, o faturamento era de R$
570 milhões enquanto o Café 3 corações já faturava R$ 115 milhões.

Com
as duas companhias juntas, em 2006, o faturamento era de R$ 700
milhões. Em 2010, virou a marca única com o nome 3corações e, em 2012, o
faturamento atingiu os R$ 2,2 bilhões.

A empresa também criou
dois pilares de crescimento, um amparado na logística, e outro, na
comunicação e marketing. “Um dos segredos do nosso projeto é o
relacionamento com o consumidor”, diz Lima. Para ele, tradição e
atendimento também são tudo numa performance segura da marca.

Agrônomo Pedro Lima é diretor-
presidente do grupo há 26 anos
“Minas tem uma importância estratégica”
Diretor-presidente Grupo 3Corações

Qual é a participação de Minas Gerais nos negócios do grupo 3corações?

A gente tem uma relação muito forte com o Estado. Minas tem uma
importância estratégia. Todas as unidades do Sul e Sudeste do Brasil são
abastecidas pela unidade de Santa Luzia. Todo o café Cappunino 3
corações que é vendido no Brasil é produzido em Santa Luzia.

Em números, qual é a participação de Minas no negócio do grupo?
 Nós
separamos os Estados por vendas. Temos 26 centros de distribuição,
então cada Estado tem um faturamento e Minas Gerais é segundo maior
Estado de vendas da gente sendo o segundo maior faturamento nosso. O
primeiro é São Paulo.

Qual é a análise que o grupo faz do mercado mineiro?

A
gente tem crescido no mercado mineiro. Temos dois pilares de
performance em Minas. Temos o crescimento orgânico e o crescimento por
aquisições. Adquirimos a Letícia em 2009, no Norte de Minas, e a Fino
Grão, em 2011.

E vocês estão em busca de outras marcas para comprar no mercado? A gente está a toda hora acompanhando as oportunidades. O mercado ainda tem oportunidades e tudo é possível. (HL)